O EXÉRCITO FEMININO DE BURBERRY

0

Por Yume Ikeda, de Tóquio

A grife inglesa Burberry retoma suas raízes e apresenta sua coleção outono-inverno 2021 proclamando o poder feminino. Fundada em 1856 por Thomas Burberry, então com 21 anos, a casa iniciou suas atividades com foco em roupas de inverno. Desenvolveu um tecido resistente à água, o gabardine, que patenteou em 1888, e passou a vestir viajantes e aventureiros, o que a levou a assinar contratos com o Departamento de Guerra do Reino Unido já em 1914. O contrato resultou na criação do famoso “trench coat”, que se diferencia do sobretudo por seus botões transpassados, a  generosa lapela e a cintura marcada, inclusive pelo uso de cinto. As peças eram forradas com uma estampa xadrez que se tornou a identidade de Burberry. Essa obra prima do vestuário  caiu no gosto dos consumidores e Burberry fez e faz ainda hoje sucesso nas ruas de Londres. Agora, o estilista Riccardo Tisci retoma essa tradição para o outono-inverno de 2021, mas torna as mulheres dominantes neste Exército da moda, as empodera porque são elas as donas do mundo, a representação perfeita da Terra numa paleta que tem nos tons beges o seu maior trunfo.

Sim. As mulheres de Burberry são guerreiras, poderiam muito bem nesta coleção estampar o cavaleiro equestre com a palavra latina Prorsum (avante) que Thomas Burberry desenhou para sua marca em passado hoje distante. Elas são as cavaleiras do futuro, as guerreiras que defendem os seus neste inverno de nossas vidas, da pandemia Covid-19 da qual temos que nos refugiar em casa para preservar nosso bem mais precioso, a vida, das intempéries e elas são muitas.

A Inglaterra ainda está pagando um preço alto pelo negativismo inicial do primeiro ministro britânico Bóris Johnson, que se não tivesse ele mesmo ter sido vítima do coronavírus, correria o risco de estar, hoje, apresentando quadro tão desolador quanto o do Brasil.  Foram elas que foram à luta, defendendo seus lares do vírus e são elas que Tisci empodera com as roupas dignas de um Exército de luxo, sem armas, porque armas são para os fracos. Mulheres são fortes, são colossais e não necessitam da indústria bélica para serem guerreiras.

Share.

About Author

publicitta

Leave A Reply